Seminário

I Seminário de Articulação 2009

19 e 20 de outubro – Salvador/BA

O I SEMINÁRIO DE ARTICULAÇÃO foi o primeiro seminário interno de articulação do nosso grupo de estudos (cooperativa de orientação). Neste encontro contamos com o privilégio da contribuição dos olhares singulares dos nossos convidados Alessia de Biase (LAA/ENSAPLV), Ana Clara Torres Ribeiro (IPPUR/UFRJ), Fabiana Dultra Britto (PPGDança/UFFA), Fernando Gigante (PPG-AU/ IHAC /UFBA), Margareth da Silva Pereira (PROURB/UFRJ) e Pasqualino Magnavita (PPG-AU/UFBA), na (re)estruturação do nosso  grupo.

A ideia do seminário foi buscar estabelecer articulações possíveis entre as questões centrais focalizadas pelos projetos de pesquisa dos participantes (mestrado e doutorado) da cooperativa de orientação, detectando pontos de conexão entre eles, a partir dos quais desejamos formular EIXOS (linhas de pesquisa) que passarão a estruturar o grupo pelas suas afinidades de questões. Realizamos um pré-seminário a partir dos resumos dos projetos de todos que já participaram in-loco do grupo de estudos. Foram feitos dois exercícios de articulação entre nós que resultou em 26 questões, listadas neste documento. Estas questões estão nos trabalhos dos participantes da cooperativa sem serem um denominador comum a todos. Portanto, a lista não oferece unidade ao grupo e sim aponta para os vários percursos que estão sendo trilhados.

A partir desse documento com os resumos de todos os trabalhos (download abaixo), pedimos a cada convidado que fizesse o mesmo exercício de buscar afinidades e deduzir questões compartilhadas entre os resumos para que sejam confrontadas as diferentes interpretações de afinidades. Assim, compomos coletivamente alguns quadros de “afinidades eletivas” entre as questões abordadas pelo grupo, buscando identificar os EIXOS que articulam os projetos. Nosso seminário foi organizado em:

rodada 1 – dia 19/10 às 15hs (PPG-AU) – para exercícios de articulação livre dos convidados.

rodada 2 – dia 20/10 às 09hs (PPG-AU) – debate e composição dos quadro de afinidades.


Questões compartilhadas na Cooperativa (pré-seminário):
1. Abertura do campo do urbanismo circulação/troca entre disciplinas
2. Imagem como forma de pensar e produzir a cidade nem representação nem ilustração
3. Tensionamento da questão da cartografia crítica/ampliação da noção de cartografia clássica
4. Dimensão estética como forma de problematizar o urbano  pensar o urbano através/com as artes
5. Imagem como forma de espetacularização- crítica ao processo de estetização/consumo do urbano
6. Formas e modos não-planejados de apropriação do espaço urbano que interferem no espaço planejado
7. Trabalhos artísticos como possibilidade de abordagem/apreensão da cidade
8. Ações e experiências corporais e cotidianas na esfera pública
9. Rua/espaço público como território instável
10. Tensionamento entre modos de habitar e de apropriação do espaço
11. Práticas dos “personagens” urbanos (sujeitos/atores e autores) que se apropriam e transitam pelo espaço público/ruas: sem-teto, ambulantes, catadores de lixo, capoeiristas, artistas/”performers”, turistas, etc.
12. Micro-resistências urbanas x espaços hegemônicos/espetacularizados
13. Cartografias das práticas culturais urbanas que tensionam hegemonias
14. Questionamento da idéia de identidade cultural
15. Questionamento do papel do arquiteto-urbanista na construção da cidade/da idéia de cidade/ ensamento urbanístico
16. Práticas e ações cotidianas x patrimonialização das culturas/espaços urbanos
17. Configurações temporárias de territorialidade relações entre tempo/território/movimento
18. Relação entre poderes/saberes e produção de subjetividades
19. Questionamento do urbanismo (disciplina/ instituição) enquanto saber/poder hegemônico/instrumento de regulamentação
20. Relação entre construção de territórios e construção de subjetividades – processos de subjetivação
21. Tensionamento entre micro e macro políticas
22. Apreensão da cidade contemporânea, do espaço público, com foco no corpo e no movimento
23. Relação/Co-implicação entre corpo e cidade, cidade na escala do corpo
24. Questionamento das categorias formal/informal, planejado/não- planejado
25. Movimento como possibilidade de compreensão e ação dinâmica/nômade da cidade e do urbanismo
26. Problematização da noção de história/historiografia do urbanismo/espaços ditos históricos

EIXOS resultantes – Linhas de pesquisa:
. Apreensão Crítica da Cidade Contemporânea
. Historiografia e Pensamento Urbanístico
. Estética, Corpo e Cidade


Coordenação de Thais de Bhanthumchinda Portela