Doutorado

Arqueologia da cidade moderna brasileira: as culturas “primitivas” na trajetória intelectual de Lucio Costa

Dilton Lopes de Almeida Júnior

Resumo

Como provocação para o início da jornada de doutoramento, proponho-me lançar ao exercício historiográfico que toma o anacronismo como risco e a arqueologia como modo de pensar a História, de modo a escavar o passado e vasculhar nos escombros e resíduos, as imagens que nos submetam a experiências outras para o pensamento das cidades e do urbanismo modernos no Brasil atravessado pelo pensamento e pela trajetória intelectual de Lucio Costa. Retomando a hipótese do historiador da cultura Aby Warburg ([1893] 2015), que percebeu, apesar do recalque, a perseverança difusa de elementos pagãos na Arte Renascentista, ousamos nos questionar de que formas as culturas ameríndias, negras, populares ou consideradas primitivas e selvagens no Brasil, aparecem, são manipuladas e perpetuam-se em Lucio Costa e no consequente imaginário moderno de cidade brasileira. De quais maneiras ainda, esses discursos primitivistas são engendrados nos dispositivos de urbanização e construção de novas cidades modernas no Brasil? Ao elegermos como fio condutor a trajetória intelectual de Costa, pretendemos verificar de que maneiras essas manipulações simbólicas sobre as culturas ditas “primitivas” legitimaram as próprias transformações urbanas e corroboraram para a construção de um imaginário costeano para a cidade moderna brasileira.

Palavras-chave: Historiografia. Urbanismo moderno. Colonização.

Orientador

Paola Berenstein Jacques

Período

2018-atual

Estágio do trabalho

Pesquisa em andamento