Mestrado

O arquiteto-habitante: um modo de compor relações

Cinira Arruda d’Alva

2015

Partindo de uma problematização dos modos de ação do arquiteto-urbanista e da constatação da despotencialização de ferramentas importantes para a construção coletiva da cidade, propõe-se a investigação de um modo operativo criado no encontro entre a antropologia e a dança contemporânea que põe em prática ferramentas para a convivência e a criação coletiva. Em um primeiro momento, através de uma aproximação ao método arqueológico de Michel Foucault, faz-se uma análise histórico-crítica de como se constituiu a atitude dominante de relação saber-poder na prática arquitetônica-urbanística e como se deram as rupturas mais significativas nesta atitude. Em um segundo momento, recorrendo a novos tipos de prática do pensamento, investiga-se as possibilidades de desvio ao modo de operar hegemônico que o encontro com outros campos do conhecimento pode oferecer.


Palavras-chave: Modos de fazer. Relação saber-poder. Arquitetura e Urbanismo. Participação.


Orientador

Washington Luis Lima Drummond

Coorientadora

Paola Berenstein Jacques


Baixe aqui