Mestrado

Práticas de beira das cidades antes navegáveis às cidades transpostas pela barragem de Sobradinho

Jurema Moreira Cavalcanti

2015

Este trabalho parte de um incômodo disparado pelo confronto de diferentes narrativas acerca das cidades reconstruídas em consequência da implantação da hidrelétrica de Sobradinho (BA) e envolvem os variados discursos das políticas estatais voltadas para a promoção do desenvolvimento. Tais discursos foram sendo vinculados à região, ao longo do tempo, e se imbricam, de outros modos, nos enunciados discursivos de pessoas que viviam ou vivem atualmente nas cidades reconstruídas – enunciados esses que aparecem na forma de relatos históricos e memórias, fabuladas ou não, sobre a vida naquelas cidades. A partir do tensionamento entre os pontos de conflito e apoio mútuo que todos os discursos geram na ação dos sujeitos surge o que chamamos no trabalho de práticas de beira. Elas atuam como conceito que permite o entendimento das ações dos sujeitos que vivem em cada cidade e que ao longo do tempo interferem taticamente no espaço planejado, através de práticas micropolítcas (práticas de beira), e assim refazem os espaços das cidades projetadas, pelas estratégias macropolíticas, do Estado‐Nação Brasil.


Palavras-chave: Práticas de beira. Discurso. Políticas de desenvolvimento. Memória. Fabulação.


Orientadora

Thais de Bhanthumchinda Portela


Baixe aqui