Mestrado

Narrar a cidade através dos quadrinhos: possibilidades outras de narração, apreensão e experiência por meio da linguagem polifônica dos quadrinhos e de sua fabulação/ficção do urbano

Rafael Luis Simões Souza e Silva

Este projeto se insere no conjunto de estudos sobre narrativas que abordam a experiência urbana e apreensão da cidade contemporânea nos mais variados níveis de cruzamentos e interpretações. Para compreender a complexidade da cidade contemporânea se faz necessário investigar/questionar sua abordagem — sobretudo os modos com que estas narrativas são constituídas e transmitidas —, para que seja instaurada uma multiplicidade capaz de proporcionar uma apreensão mais complexa, sensível, polifônica e dissensual das cidades. Como narrar e, sobretudo, como compartilhar estas narrativas torna-se, portanto, desafio e objeto de escrutínio. Sobre a singularidade da experiência e a possibilidade desta ser transmitida e apreendida pelo outro, Jorge Larrosa discorre:

“[…] o saber da experiência é um saber particular, subjetivo, relativo, contingente, pessoal. Se a experiência não é o que acontece, mas o que nos acontece, duas pessoas, ainda que enfrentem o mesmo acontecimento, não fazem a mesma experiência. O acontecimento é comum, mas a experiência é para cada qual sua, singular e de alguma maneira impossível de ser repetida. […] o saber da experiência não pode beneficiar-se de qualquer alforria, quer dizer, ninguém pode apreender da experiência de outro, a menos que essa experiência seja de algum modo revivida e tornada própria.” (LARROSA, 2002, p. 27)

A narração como um outro tipo de experiência da cidade sugere uma aproximação entre o campo da linguagem e do urbanismo, na medida em que descortina possibilidades de abordagens da vida urbana, assim como proporciona, através do compartilhamento da experiência — com os recursos da linguagem —, chaves para outros entendimentos e apreensões. Segundo Lia Scholze, a narrativa “nos permite criar e, pela criação, tornar a experiência sensível a todos, coletivizar.” (2007, p. 140).

A linguagem, na condição de instrumento constitutivo de narrativas, se conjugada de forma múltipla — no entrelace de suas modalidades verbais e visuais —, possui o potencial de descortinar novas possibilidades de abordagem do urbano, e de alcançar nuances acerca da cidade e dimensões da experiência inacessíveis se vistas através de uma única vertente, sendo esta texto ou imagem. Tal entrelaçamento de linguagens é possível nos quadrinhos, ferramenta que proporciona — Nick Sousanis aponta em sua tese intitulada Desaplanar — uma dança participativa das linguagens. “O texto imerso na imagem. As figuras ancoradas nas palavras. Revezando sentidos entre suas fronteiras.” (SOUSANIS, 2017, p. 53). Sousanis expõe que, enquanto os textos marcham de forma linear, as imagens apresentam-se em sua totalidade de modo simultâneo. Portanto os quadrinhos, apesar de serem lidos sequencialmente, também possuem suas composições absorvidas — vistas — de uma só vez. Esta interação especial do sequencial e simultâneo ainda pode ser imbricada à possibilidade de incorporação de modalidades profusas de sinais e símbolos, camadas múltiplas transmitidas juntas, em polifonia, o que amplia a capacidade dos quadrinhos de capturar e transmitir nossos pensamentos em sua emaranhada complexidade. Sobre tal potência dos quadrinhos, Sousanis discorre:

“Testemunhamos o tempo passar de forma sequencial — os ponteiros do relógio avançam, mudamos de uma atividade para outra, e assim por diante. Mas, ao mesmo tempo, os pensamentos estão sempre à deriva, acontecendo todos de uma vez. Os quadrinhos não só nos permitem respirar tanto no mundo das imagens quanto no dos textos como nos possibilitam ter experiências de simultaneidade e sequencialidade, o que lhes dá enorme poder diante de narrativas complexas ou para explorar ideias a fundo.” (SOUSANIS, 2017)

Thierry Groensteen, em sua obra intitulada O Sistema dos Quadrinhos, coloca que palavra e imagem conjuntamente são responsáveis pela significação da narrativa. “A palavra e a imagem têm uma relação de complementaridade; as palavras são, então, fragmentos de um sistema geral, assim como as imagens.” (GROENSTEEN, 2015, p.25). Os elementos gráficos e textuais não podem, portanto, ser reduzidos em unidades mínimas de sentido. A narrativa se concretiza na articulação deste todo complexo.

Os entrelaces de modalidades de linguagens e dos diferentes pontos de vista inerentes aos quadrinhos sugerem uma correlação com a postura caleidoscópica diante da compreensão da complexidade da cidade contemporânea, e estimulam formas outras de narração das distintas e divergentes experiências urbanas, amplificando, por conseguinte, as possibilidades de apreensão em seu compartilhamento.


A fabulação/ficção em quadrinhos como técnica para se pensar, discutir e disputar a cidade

Para se aproximar da fabulação, no sentido de algo presente e necessário para a compreensão, reflexão e abordagem da cidade, é preciso entender que ela vai além de sua interpretação como fato inventado ou história fantasiosa. Fabular é, sobretudo, criar — tensionar os limites de possibilidades para dar forma a outras configurações de relações e espaços. A potência da imaginação presente na fabulação é uma potência realizadora. “A ciência e a técnica são fruto não só da inteligência, mas da imaginação humanas; e a imaginação diurna do sábio estaria finalmente tão longe da imaginação noturna do pintor ou do escritor criadores do fantástico?” (HELD, 1980, p. 60). Sobre este poder de realização, Georges Didi-Huberman irá discorrer:

“Assim como não há forma sem formação, não há imagem sem imaginação. Então por que dizer que as imagens poderiam “tocar o real”? Porque é um enorme equívoco querer fazer da imaginação uma pura e simples faculdade de desrealização. Desde Goethe e Baudelaire, entendemos o sentido constitutivo da imaginação, sua capacidade de realização, sua intrínseca potência de realismo que a distingue, por exemplo, da fantasia ou da frivolidade.” (DIDI-HUBERMAN, 2012, p. 208)

A fabulação se correlaciona à cidade na sua vivência cotidiana. Fomenta desejos, ações, projetos, nos mais diversos níveis. Está presente no ato de projetar a cidade, no gesto de planejá-la e desejá-la. E ela toca o real na medida em que o torna possível de acontecer, de refletir sobre, de criticar, contaminando-o. Errar pelas possibilidades e frequentar as cidades invisíveis diante da cidade por meio da fabulação — enxergando-as com olhos múltiplos através dos quadrinhos — pode revelar-se uma técnica poderosa para narrar, apreender, pensar sobre a cidade contemporânea, e disputá-la através do imaginário, das reflexões e dos desejos despertos pela experiência narrativa. Uma chave para entendimentos outros sobre o urbano, visto por ângulos pouco estudados.


REFERÊNCIAS

DIDI-HUBERMAN, G.. Quando as Imagens Tocam o Real. In: PÓS: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA/UFMG, vol.2, n.4. Tradução: Patrícia Carmello e Vera Casa Nova. Belo Horizonte: EBA/UFMG, 2012. p. 206–219.
GROENSTEEN, T. O Sistema dos Quadrinhos. Tradução: Érico Assis. Nova Iguaçu: Marsupial, 2015. 184 p.
HELD, J. O Imaginário no Poder: As Crianças e a Literatura Fantástica. Tradução: Carlos Rizzi. São Paulo: Summus, 1980. 240 p.
LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira de Educação. Tradução: João Wanderley Geraldi. n.19, 2002. p.20-28.
SCHOLZE, L. A Linguagem Como Elemento Privilegiado na Construção da Reflexão de Si. In: Letras de Hoje. v. 42, n. 2, Porto Alegre, 2007. p. 139-153.
SOUSANIS, N. Desaplanar. Tradução: Érico Assis. São Paulo: Veneta, 2017. 208 p.


Palavras-chave: Narração. Imaginação. Quadrinhos. Cidade. Ficção.


Orientadora

Paola Berenstein Jacques

Período

2019-atual